LW-Logo


Musica Popular Brasiliera

Fagner Beleza


  1. Noturno
  2. Frenezi (Fosse Paixão)
  3. Asas
  4. Beleza
  5. Ave Coração
  6. Quer Dizer
  7. Mulher
  8. Elizete
capa do LP Fagner Links

Ricardo Teixeira Piolla












Noturno

O aço dos meus olhos
E o fel das minhas palavras
Acalmaram meu silêncio
Mas deixaram susa marcas

Se hoje eu sou deserto
É que eu não sabia
Que as flores com o tempo
Perdem a força
E a ventania vem mais forte

Hoje só acredito
No pulsar das minhas veias
E aquela luz que havia
Em cada ponto de partida
Há muito me deixou, há muito me deixou...

Ai, coração alado
Desfolharei meus olhos
Neste escuro véu

Não acredito mais
No fogo ingênuo da paixão
São tantas ilusões
Perdidas na lembrança
Nesta estrada
Só quem pode me seguir sou eu
Sou eu, sou eu, sou eu
Ai coração alado...


Frenezi (Fosse Paixão)

A felicidade corre sem parar
Bela é uma cidade velha
Na velocidade a tarde leva o teu olhar
Longe descansar na estrela

E um corpo passa por mim
Água do rio na areia
Adormecendo assim
Esta pedra em mim
E meu leito clareia

Fosse paixão frenezi
Doce ilusão moça bela
A solidão mora aqui
E a cidade é sem fim
Qual a tua janela

Tudo igual
Tal e qual
Fosse paixão


Asas

O que este punhal tem de ave
São as asas da imaginação
A dor voa mas volta sempre
E pousa no meu coração

Voa gaivota breve
Voa leve
Que o mar tem a alma secreta
Que guarda a carne dos peixes
E a solidão do poeta


Beleza

Beleza só se tem quando se acende a lamparina
Iluminando a alma se entende a própria sina
Quando se vê o arame que amarra toda gente
Pendendo das estacas sob um sol indiferente
Beleza só depois de uma sangria desatada
Aberta na ferida dos perigos do amor
E quando se afasta a sombra triste do remorso
Que impede olhar pra dentro para enfrentar a dor
Repara este silêncio que se estende da janela
Repassa o teu passado e come o lixo que ele encerra
Vagar sem remissão é também parte da questão
Juntar estas migalhas para refazer o pão
Não é da natureza que ele surge confeitado
Mas é desta tristeza, deste adubo de rancor
Beleza é o temporal que suja e corta uma visão
E esmaga qualquer sonho com um grito de pavor


Ave Coração

Eu sei que existe por ai
Uma andorinha solta
Procurando um verão que se perdeu no tempo
Cansou de ser herói do espaço
E quer a companhia de outros pássaros
É que o seu coração de ave
Não aguenta tanta solidão

Eu sei que eu ando por ai
Sou andorinha solta
E nem sei a estação em que estou vivendo
Não quero ser herói de nada
Só quero a companhia de outros braços
É que o meu coração de homem
Voa alto como um pássaro


Quer Dizer

Na aventura de um pensamento
Que faz pensar que toda pedra voa
Na solidão de um coração gemendo
Quem chora triste nunca ri, à toa

E saberá o peso do tormento
Encontrará toda novilha boa
E pelos campos quem virá
Alegre quer dizer
Na vida todo dia passará
Louco quem virá ardendo de amor...


Mulher

Tu és mulher
Tu és um ser
Que pode ser mais do que é
Um passarinho fruta qualquer
Pode ser doce
O fel até

Pode não ser como quiser
Mas serás a guerra e a paz
Serás o bem e não será demais
O mal me quer
Ser se quiseres

Pois as mulheres são tão iguais
À natureza e aos rapazes
Que tudo fazem ou nada fazem
Senão viver como capazes

De fazer de acontecer
De adormecer quando chover
Ou de morrer de um amor comum
Que qualquer um pode querer

Pode levar na bandeja
A cabeça de um cristão
Pode servir ou vir a ser
O seu próprio sim ou não


Elizete

Tu és a maravilha singular
Do lugar
O céu, a terra, o mar
És o lugar
Quem te ensinou a ser
O céu e o mar
A me guiar, e descansar
E trabalhando sei o meu lugar
O chão, o ar
O lugar


Página feita por Paulo Filho.
E-mail: pfilho@summer.com.br
Visite também a Home Page: http://www.summer.com.br/~fagiani